Quanto tempo é bom ficar em uma empresa

Quanto tempo é bom ficar na empresa

Você tem dúvida sobre quanto tempo é bom ficar em uma empresa? Durante muito tempo, a competência do empregado era definida pelo tempo que ele permanecia na organização, independentemente dos seus feitos durante a trajetória. Quanto mais tempo, mais status a pessoa tinha.

Atualmente, esse padrão tem se tornado cada vez mais obsoleto e os profissionais estão passando a enxergar o tempo no mercado de trabalho como um período de evolução, aprendizado e felicidade, independente se o seu plano de carreira for crescer dentro de uma organização durante um tempo maior ou dentro de várias empresas com tempo menor.

E quando a adaptação na empresa não acontece como o esperado ou a carreira fica estagnada e não há perspectiva de crescimento? Nesses casos, muitas pessoas se perguntam quanto tempo é bom ficar em uma empresa antes de buscar uma recolocação profissional e transição de carreira.

Afinal, quando é a hora certa de buscar novas possibilidades e construir uma nova história? Será que tem tempo certo para encerramentos de ciclos? Será que o mercado de o trabalho e os headhunters consideram o tempo de permanência em cada emprego na busca do candidato ideal?

Nesse artigo, vamos conhecer quanto tempo é bom ficar em uma empresa. Continue a leitura para entender o tempo ideal de permanência em cada emprego antes de partir para uma próxima oportunidade.

 

O tempo em uma empresa é relevante

Quando um recrutador questiona sobre o tempo que o candidato permaneceu nas empresas anteriores, seu objetivo não é desclassificar o profissional devido ao período, mas sim entender quais foram as realizações dessa pessoa durante a sua trajetória naquele período, e as razões que levaram o profissional a sair daquela oportunidade para ingressar na próxima.

Essas perguntas sobre tempo de permanência em uma empresa e o que fez o profissional mudar de emprego fazem parte de um roteiro de entrevistas que geralmente serão perguntadas.

Afinal, o RH busca saber quais foram as conquistas dentro do período trabalhado na empresa e os motivos que levaram a pessoa a sair para então avaliar se o comportamento se repetirá na vaga em questão.

Então a resposta de quanto tempo é bom ficar em uma empresa é relativo e, depende! O que  é certo é que será questionado sobre o tempo de permanência e motivos para mudanças pelos recrutadores.

 

Ficar muito tempo em uma empresa pode prejudicar a carreira?

Se você está há muito tempo em sua empresa e está preocupado de que ficar muito tempo em uma empresa pode prejudicar a sua carreira, tenha em mente o seu crescimento profissional dentro da mesma empresa.

Para quem se sente confortável ou até mesmo busca estabelecer um vínculo durante anos em uma mesma organização, a atenção deve estar na busca pela evolução profissional, na educação continuada.

Ficar largos períodos de tempo em uma empresa é muito bem-visto quando o profissional possui uma história de evolução, e conquistas.

Agora, ficar estagnado na mesma função não faz bem nem para a motivação e desenvolvimento pessoal, nem para a sua imagem diante de um potencial empregador.

Não é um problema quando o profissional está a muito tempo com o mesmo empregado. Inclusive, muitas vezes isso é bem-visto, especialmente se profissional possui um plano de carreira crescente, com experiência em novos cargos, novos projetos ou novas atribuições.

E isso não significa, necessariamente, promoções verticais, mas sim maiores responsabilidades e desafios que deixem o colaborador mais completo, experiente e motivado.

Além disso, quando a pessoa é compatível com a cultura organizacional e se sente desafiada e feliz, automaticamente ela busca o lifelong learning para agregar ainda mais em sua trajetória e beneficiar a empresa com novas atribuições.

Essas mudanças internas são essenciais e positivas aos olhos do mercado, pois é como se a pessoa tivesse passado por várias empresas e elevado seu nível de experiência dentro de uma única organização.

 

Pontos de atenção em permanência longa na mesma empresa

Para que o profissional evite eventuais questões que atrapalham a carreira de um profissional cuja permanência em uma empresa tenha sido longa, destacamos 4 dicas para ter em mente e exercitar:

  1. Continuar aprendendo e se desenvolvendo, assumindo novas responsabilidades e desafios;
  2. Manter-se atualizado quanto ao mercado de trabalho e sua área de especialidade;
  3. Ser flexível e manter a mente aberta quanto a melhores práticas;
  4. Conseguir adaptar-se a novas situações, dinâmicas, pessoas, processos e culturas.

 

Ficar pouco tempo na empresa é ruim?

Em contrapartida, muitos profissionais se perguntam quanto tempo é bom ficar em uma empresa, pois tem receio de ficar pouco tempo no emprego e ser malvisto pelo mercado.

Uma permanência curta no emprego pode sugerir que a pessoa é imatura, não consegue se adaptar, não sabe o que quer, não tem resiliência ou até mesmo que se frustra rapidamente, e é por isso que é tão importante que o recrutador pergunte sobre a trajetória e os motivos que a fizeram desistir da oportunidade.

Afinal, o recrutador está tentando entender o que houve e reduzir as chances de que o problema que levou o profissional a ficar pouco tempo em outra experiência, se repita novamente, pois contratar a pessoa errada é bastante oneroso para a empresa e prejudicial ao funcionário.

Mas um tempo curto de permanência no emprego não é necessariamente negativo desde que a justificativa seja plausível. Pode ser, por exemplo que a empresa descreveu atribuições do cargo, cultura da empresa ou até mesmo descreveu a remuneração de forma divergente do que a realidade, e ao perceber um desalinhamento entre o que foi combinado e o que estava sendo exercido, que o profissional tenha optado por sair e buscar por algo mais adequado.

É melhor que o profissional tome uma atitude, seja protagonista de sua carreira e faça uma mudança, do que ficar um período longo em uma empresa, mas insatisfeito e sem realizações.

 

Pontos de atenção em permanência curta na empresa

Para que o profissional evite eventuais questões que atrapalham a carreira de um profissional cuja permanência em uma empresa tenha sido curta, destacamos 4 dicas para ter em mente e exercitar:

  1. O que o motiva e quais são seus objetivos? Ao ter isso claro e definido, o indivíduo estará mais propício a escolher uma empresa que proporcione aquilo que busca.
  2. Quais são os motivos para você avaliar a saída da empresa? Ao entender o que fez o profissional avaliar uma mudança, o profissional terá o aprendizado para evitar que esses pontos se repitam em uma nova empresa e até mesmo saber como lidar melhor com eles.
  3. Entender que dificuldades e desafios existirão em qualquer trabalho;
  4. Avaliar se fechou ciclos antes de mudar de emprego, pois é muito comum e prejudicial ver profissionais plantarem os frutos, mas saírem antes de colherem os resultados.

 

O que é o profissional pula-pula?

Você já ouviu falar no profissional pula-pula? O rótulo de um profissional pula-pula entre os recrutadores existe e significa que o profissional possui uma trajetória instável, ficando pouco tempo em empresas distintas.

É importante ressaltar que o tempo de permanência para ser considerado pula-pula é subjetivo, mas de forma geral, também vem reduzindo considerando a maior frequência de mudanças de carreira que as pessoas vem tendo.

Dito isso, o profissional pula-pula não é bem-visto porque entende-se que em diversas oportunidades, não conseguiu fechar ciclos e ter realizações relevantes e concretas. Existe o medo de que caso a empresa venha a contratar o profissional, logo mais sairá por algum motivo sem agregar valor à empresa que investiu em sua contratação.

 

Quanto tempo é bom ficar em uma empresa?

Sabe aquela frase: “Foi bom enquanto durou!”? Pois é assim que devemos analisar todos os ciclos de nossas vidas.

Com a trajetória profissional não deve ser diferente, precisa fazer sentido, precisa ter aprendizado, precisa ter evolução, precisa fazer feliz. Nunca a saúde mental do colaborador foi tão levada a sério como atualmente, pois os problemas psicológicos são as principais causas de afastamento do trabalho. Prejuízo para as empresas e para as pessoas que precisam cuidar desses transtornos.

Portanto, para analisar se a trajetória está acontecendo conforme o esperado é necessária uma boa dose de autoconhecimento, pois é assim que identificamos nossas aptidões, nossos objetivos e nossos sonhos.

Então, antes de ingressar em um novo emprego, faça uma avaliação se é uma oportunidade mutualmente benéfica e do interesse da empresa e seu.

Se você acabou de entrar em uma instituição ou está há muito tempo na mesma empresa, verifique se a sua trajetória e se seus planos comportam esse lugar no curto, médio e longo prazo.

A resposta está dentro de cada um, e tão importante quanto o tempo de permanência em uma empresa em si, é o que você fez durante esse período.

Então, o tempo ideal de permanência é aquele em que você se desenvolveu, agregou conhecimento e se realizou como profissional contribuindo para os resultados dos lugares por onde esteve.

 

Conclusão da permanência no emprego

Se você está perguntando para outros profissionais quanto tempo é bom ficar em uma empresa, reflita, o quão bom está sendo aquela empresa para você e para o seu crescimento?

No mercado de trabalho, não existe um tempo padrão de permanência em uma empresa considerado bom ou ruim, afinal, o que importa mesmo é o que é feito durante esse período.

Por isso, o RH enxerga cada caso como único e busca entender os fatores do pouco ou do longo tempo em que o colaborador ficou na organização.

É nesse momento que o talento deve destacar sua evolução, suas conquistas, contribuições e objetivos.

Independente se foi uma passagem curta ou uma história longa, o que importa é o que você aprendeu, as contribuições que você deixou e as realizações que você teve naquele período.

Portanto, ao se questionar por quanto tempo é bom ficar em uma empresa, comece a pensar: o que eu tenho a aprender e quanto tempo eu tenho para fazer a diferença na minha trilha de carreira e nessa organização.

E, caso perceba que está na hora de dar uma pausa na carreira, não deixe de ler nosso artigo sobre: “8 atividades de o que fazer no ano sabático” e aprenda como criar fôlego para novas realizações profissionais.

quanto tempo é bom ficar em uma empresa

CEO de Empresa de Recrutamento e Seleção e Headhunter Especializado

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Política de Cookies
Utilizamos cookies em nosso site para oferecer a você a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e visitas repetidas e ajudando a economizar dados. Ao clicar em “Aceitar Cookies”, você concorda com o uso de cookies. Mais informações podem ser encontradas na Política de Privacidade do Site.